fbpx

Vrindavan, a amada cidade de Krishna

Hoje vamos falar um pouco desta pequena e simpática cidade chamada Vrindavan! Um lugarejo simples, que pouco tempo atrás, era desconhecido da grande maioria das pessoas no ocidente. Foi o Movimento Hare-Krishna” da ISKCON (Sociedade Internacional de Consciência de Krishna), que deu projeção internacional a este local, tão amado a seus devotos. 

Um dos lugares da Índia, onde é preciso se demorar, sentar-se em qualquer lugar, respirar, para que o visitante apressado não corra o risco de desperdiçar o essencial… 

Foi na região de Vrindavan, onde a 5.000 anos, Krishna nasceu e passou sua infância e juventude. Por milênios ficou esquecida e coberta por florestas, e redescoberto a 500 anos por Chaitanya Mahaprabhu. Chaitanya vagou em transe espiritual de amor divino pelas florestas de Vrindavan. É dito que, pelo Seu divino poder espiritual, ele foi capaz de localizar todos os lugares importantes dos passatempos de Radha e Krishna dentro e ao redor de Vrindavan. Hoje, com mais de 5.000 templos, espalhados pelas simpáticas ruelas, rodeados pelo peculiar fervor devocional das pessoas que circulam pela cidade. 

Vrindavan, seu silencioso chamado de amor toca nossos ouvidos e nos convida ao olhar do essencial. Aqui vibram cantos, cores e sorrisos de seus devotos. Seu silencioso chamado de amor toca nossos ouvidos, chega até nós e convida ao olhar do essencial. Aqui vibra entre cantos, cores e sorrisos a humildade e devoção de seus verdadeiros devotos. 

Cada parte deste vilarejo nos conta do Senhor Krishna seus eternos passatempos, suas proezas e travessuras de menino, contra as forças maléficas e a vitória da Luz do amor. De como se tornar seu amado discípulo, amigo. 

Através de nossos sentidos, atingimos o que poucas palavras podem dizer com grandeza. E o que diz entre tantas coisas é da alegria que contagia de uma maneira especial. Pelas coisas que são surpresas e deslumbramentos a cada passo nestas ruas sagradas. 

O rio Yamuna exala no ar o aroma de uma atmosfera devocional que pede reverência e nutre inspiração. Seus rituais de adoração impregnados de força calorosa acendem nossa receptividade e não podemos ficar imunes ao espírito neles presente. 

E ao ouvir as histórias e caminhar no chão da doce Vrindavan nos sentimos abençoados. Um ditado bengali diz: “Se invocares o Espírito de um real anseio da alma, o Espírito não pode permanecer calado.”  

Isto é plenamente verdade aqui onde a atmosfera é recheada da intenção de oferecer serviço devocional e atrair o amor de Krishna. Este é o cerne do serviço transcendental amoroso do Senhor. Para poder ver temos que ter os olhos elevados pela Luz. 

O vaishnavismo aqui presente é uma das principais tradições dentro da cultura espiritual védica. Entendem que Deus é a Pessoa Suprema toda-atrativa, ou Krishna, e reconhecem que todos os seres vivos são pessoas eternas, e que todos os problemas da vida estão fundamentados no esquecimento da alma individual de seu relacionamento com Deus. 

Os vaishnavas apregoam que pelo cantar dos santos nomes de Deus a alma pode despertar seu conhecimento espiritual original, viver em paz nesta vida e, no momento da morte, voltar ao reino espiritual, chamado de Vaikhunta. Mesclam textos poéticos, teologia profunda e um discurso social consistente. 

A ISKCON é parte da Gaudiya, ou tradição Chaitanya Vaishnava, que vem das regiões do leste da Índia. Os Gaudiyas dão ênfase especial aos ensinamentos do santo do Século XVI e avatar (manifestação divina na terra), Sri Chaitanya Mahaprabhu. 

A ISKCON, aumentou a consciência e o crescimento do Vaishnavismo em todo o mundo, inclusive na Índia. Hoje, encontramos os ensinamentos Vaishnavas percorrendo fronteiras geográficas e se destacando no atendimento às necessidades essenciais da humanidade. 

Por Maria Beatriz C. de Oliveira 

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Voltar ao Topo